Teófilo Braga

Teófilo Braga foi um dos maiores nomes do pensamento Português do fim do século XIX e inicio do Século XX enquanto poeta, sociólogo, filósofo e ensaísta. Mas é mais conhecido por ser o primeiro chefe de governo e estado da República Portuguesa, de forma temporária, e depois o segundo Presidente da República Constitucional.

Citações

Quando há quatro anos, nesta mesma sala, foi lida a proclamação da República Portuguesa, ficou formulado o princípio fundamental de onde derivam todos os poderes do Estado — a soberania nacional, postergada sempre pela frase «da graça de Deus», com que as dinastias mascararam o seu poder pessoal absoluto. Reivindicaram esse princípio as revoluções de 1640, 1820, 1836, sempre desvirtuadas pelos seus mandatários. Na sua essência, a revolução de 5 de Outubro de 1910 foi essa reivindicação, tendo como consequência imediata a fundação da República; e, para que a revolução não fracassasse como as anteriores, deu-se ao título da República, que abrange muitas modalidades de instituições, a forma nítida, iniludível da República Democrática Parlamentar. Como esta base estável não foi suficientemente compreendida, as novas instituições sofreram diversas vicissitudes e, ultimamente, a de uma ditadura de feição imperialista absolutamente repugnante às aspirações do país.

Esquecera por completo a fundação de 5 de Outubro de 1910 e, para salvá-la, deu-se o conflito violento de 14 de Maio de 1915.

São dois momentos históricos que se completam, integrando-se em uma época nova que há-de ser fecunda pelo sacrifício de um milhar de desinteressadas vítimas que cimentaram com o seu sangue a República Portuguesa.

Que se segurem as mãos dos que tocaram irreverentemente na área santa das nossas liberdades. Que todo o cidadão elevado à Presidência da República se considere um magistrado, tendo por escopo o acatamento da soberania nacional e assistindo com interesse e amor, mas sem intervenção ilegítima, ao normal funcionamento do regime democrático parlamentar.

Nenhuma função mais difícil do que manter a harmonia dos poderes do Estado, e sua mútua independência e coexistência. Feliz quem, sob a sua chefatura, conseguir alcançar esta energia que realiza a ordem como condição do progresso.

Portugal já não é um país confinado no extremo ocidente; é um elemento desta civilização heleno-latina que a Renascença incorporou no mundo moderno com vinte séculos de cultura. Vivemos nesta espécie de solidariedade humana que corrige os excessos do egoísmo humano. Um outro equilíbrio europeu tem de fundar-se, conduzindo ao estabelecimento duma paz milenária.

A política externa de Portugal deriva completamente da sua situação geográfica; ela solidarizou-se com a Europa, quando combatia o imperialismo da Espanha no século XVII e quando no século XIX desmoronava o imperialismo napoleónico; ela nos fará cooperar na actividade mundial dos grandes Estados com apoio no Atlântico.

Apresentando estes dois aspectos da política interna e externa da nação portuguesa, deles se deduz um plano de Governo. E, ao proferir as palavras de compromisso de honra, desta hora em diante só aspiro a que, ao regressar dignamente ao lar, se possa dizer: «Cumpriu o que prometeu; guiou-se pelo bom senso e pelo desinteresse».

Discurso de tomada de posse do Presidente Teófilo Braga, proferido na Câmara dos Deputados do Palácio de São Bento, a 29 de Maio de 1915.

Nascido a  em Ponta Delgada, Portugal.

Faleceu a  em Lisboa, Portugal

Próximas efemérides

19 de Setembro de 1883 nasce em Loulé José Mendes Cabeçadas.
31 de Setembro de 1750 morre em Lisboa D. João V .
03 de Outubro de 1911 morre em São Jorge de Arroios, Lisvoa Carolina Beatriz Ângelo .
04 de Outubro de 1907 morre em Hamburgo Alfredo Keil .
06 de Outubro de 1999 morre em Lisboa Amália Rodrigues .

Personalidades contemporâneas

Encontradas 48 personalidades.
Pedro de Sousa Holstein, Duque de Palmela
Isabel Maria de Bragança
D. Miguel I
José Rodrigues Maio - Cego do Maio
D. Maria II
D. Fernando II
D. Pedro V
D. Luís I
Manuel de Arriaga
Eça de Queirós
António Enes
Ernesto Hintze Ribeiro
Alfredo Keil
Bernardino Machado
José Malhoa
Manuel Teixeira Gomes
João do Canto e Castro
Manuel Gomes da Costa
D. Carlos I
António José de Almeida
Óscar Carmona
Sidónio Pais
Ana de Castro Osório
Carolina Beatriz Ângelo
José Mendes Cabeçadas
Jaime Cortesão
José Domingues dos Santos
D. Luís Filipe
Cardeal Manuel Gonçalves Cerejeira
António de Oliveira Salazar
D. Manuel II
Mário de Sá-Carneiro
Francisco Craveiro Lopes
Américo Thomaz
Florbela Espanca
José Campos de Figueiredo
Adelino da Palma Carlos
Agostinho da Silva
Humberto Delgado
Adolfo Correia da Rocha "Miguel Torga"
Sebastião Jacinto
Manoel de Oliveira
António de Spinola
Francisco da Costa Gomes
Sophia de Mello Breyner Andresen
Amália Rodrigues
Agustina Bessa-Luís
Mário Cesariny