Infante D. Henrique

Infante D. Henrique é provavelmente dos primeiros nomes que se fala quando se fala em grandes portugueses, ou na história de Portugal ou do Mundo. A exploração marítima, que impulsionou, financiou e geriu, durante grande parte da sua vida tornou-o na figura de proa da expansão portuguesa, e europeia, começada no século XV. Mas foi também um líder político e militar de grande gabarito, e um gestor admirável.

Desde muito novo teve uma formação muito acima do comum, tal como todos os seus irmãos, integrando a chamada Ínclita Geração, termo cunhado por Luís de Camões n’Os Lusíadas. Formado, tal como os seus irmãos, nas artes da governação, das letras e da guerra, cedo começa a considerar que para Portugal continuar a crescer teria de sair da Península Ibérica, evitando as fratricidas guerras com os vizinhos peninsulares.

Em 1414, com apenas 20 anos, convence o seu pai, o Rei D. João I, que o caminho da riqueza e da expansão da fé cristã, passará pela tomada de pontos estratégicos no Norte de África. Como primeiro objectivo surge Ceuta, que controla a passagem de todo o comércio pelo lado africano do estreito de Gibraltar.

A 21 de Agosto de 1415 a cidade de Ceuta é tomada por uma força de mais perto de vinte mil homens, e na sua liderança além do veterano D. Nuno Álvares Pereira, seguia o jovem mentor de todo o projecto, o Infante D. Henrique. Nesse mesmo dia foi armado cavaleiro, tal como os seus irmãos, e tornado Duque de Viseu, sendo o primeiro Duque Português, ao mesmo tempo do seu irmão D. Pedro, Duque de Coimbra.

Mas as suas buscas para sul nunca pararam durante a sua vida. Estabeleceu-se entre Sagres e Lagos e daí começou uma escola náutica para preparar a expansão que começou a desenhar.

Primeiro pela investigação e colonização das ilhas do arquipélago da Madeira, já presentes em alguns mapas, mas inexploradas até aí, e depois pela busca de mais ilhas atlânticas e do caminho para o sul africano.

Durante toda a sua vida continuou a promover a exploração atlântica, o mercantilismo, a propagação da fé cristã, mas ao mesmo tempo uma posição militarista no território actual de Marrocos.

Foi também durante grande parte da sua vida Governador da Ordem de Cristo, sendo que usou a ordem para activamente promover os descobrimentos durante toda a sua liderança. É daí que surge a Cruz de Cristo que adornava as velas de todas as embarcações dos Descobrimentos Portugueses.

Foram 66 anos de vida dedicados à Expansão Portuguesa, numa perspectiva muito avançada para a época financiando não só as expedições, mas também toda a busca pelo conhecimento que permitiria avançar mais longe a cada ano que se passava.

Um gestor inteligente, um militar valoroso e um idealista que nunca parou de perseguir os seus sonhos, entrando com letras de ouro na História.

Nascido a  em Porto, Portugal.

Faleceu a  em Sagres, Portugal

Próximas efemérides

23 de Abril de 1185 nasce em Coimbra D. Afonso II.
24 de Abril de 1112 morre em Astorga Henrique de Borgonha .
26 de Abril de 1648 nasce em Lisboa D. Pedro II.

Personalidades contemporâneas

Encontradas 6 personalidades.
D. João I
D. Filipa de Lencastre
D. Nuno Álvares Pereira
D. Duarte I
D. Afonso V
D. João II