Of Portugal
Domingo, Junho 16, 2019
Of Portugal
Inicio 2019

Arquivos

Personalidades

Nascimento Óbito
Henrique de Borgonha
Conde de Portucale
1066 00 00 1112 04 24 Henrique de Borgonha, conde de Portucale, mais comumente chamado apenas de Conde D. Henrique. Não sendo herdeiro do Ducado de seu pai veio para a península Ibérica participar na reconquista. Casou com D. Teresa, filha do Rei de Leão, e foi tornado por este Conde de Portugal. Começou a desenvolver ideias independentistas que viriam a ser retomadas por seu filho D. Afonso Henriques.
D. Afonso Henriques
Rei de Portugal
1109 7 25 1185 12 6 Tornando-se a encarnação das ambições de seu Pai Henrique de Borgonha e dos nobres do Condado Portucalense D. Afonso Henriques criou, defendeu e aumentou o Reino de Portugal, sendo o seu primeiro Rei.
D. Sancho I
Rei de Portugal
1154 11 11 1211 3 26 Se a D. Afonso Henriques devemos a criação de Portugal, a D. Sancho I, seu filho, devemos em muito a sua estruturação. Cognominado de O Povoador criou cidades, organizou regiões, e soube desenvolver o país de forma a prepará-lo para as próximas etapas.
D. Afonso II
Rei de Portugal
1185 4 23 1223 3 25 Com o cognome nada simpático de O Gordo, D. Afonso II seguiu a politica organizativa de seu pai D. Sancho I criando as primeiras leis escritas de Portugal e tentou controlar um pouco os previlégios concedidos à Igreja, algo que lhe valeu a excomunhão.
D. Sancho II
Rei de Portugal
1209 9 8 1248 1 4 D. Sancho II, com os cognomes de “o Capelo” e “o Piedoso”, Rei de Portugal até à sua morte, mas que na realidade morreu no exílio em Toledo após ter sido afastado pelo futuro D. Afonso III com ajuda do Papa.
D. Afonso III
Regente, Rei de Portugal
1210 5 5 1279 2 16 Rei de Portugal, após depor o seu irmão D. Sancho II, deve-se a D. Afonso III, o Bolonhês”, o fim da reconquista Portuguesa, e a consolidação do Reino desde o Minho ao Algarve. Foi também Conde Consorte do poderoso condado de Bolonha em França.
D. Dinis
Poeta, Rei de Portugal
1261 10 09 1325 1 7 Além de ser um dos primeiros poetas, e defensores, da Língua Portuguesa D. Dinis foi um Rei que mostrou uma inteligência e visão para o futuro tanto em termos de Educação como de Planeamento.
D. Afonso IV
Rei de Portugal
1291 2 08 1357 5 28 D. Afonso IV, o Bravo, é mais conhecido por ter sido o autor moral do assassinato de Inês de Castro do que dos feitos do seu reinado. Foi um administrador competente e o primeiro a ordenar a exploração Atlântica, sendo no seu Reinado alcançadas as Ilhas Canárias.
D. Pedro I
Rei de Portugal
1320 04 08 1367 01 18 D. Pedro I é talvez mais conhecido pelo seu amor a Inês de Castro do que pelos dez anos em que governou Portugal num período sem guerras e alguma prosperidade, o que o levou a ser amado pelo povo mesmo sendo conhecido como um Justiceiro por vezes Cruel, os seus dois cognomes.
D. Fernando I
Rei de Portugal
1345 10 31 1383 10 22 O Formoso, O Belo e o Inconstante, os três cognomes de D. Fernando I, um rei que iria fechar da pior maneira a primeira dinastia com a queda numa Guerra Cívil após morrer apenas com uma filha, e casada com o Rei de Castela.
D. João I
Rei de Portugal
1357 4 11 1433 08 14 D. João I sendo filho ilegítimo de D. Pedro I não teria pretensão ao trono. Mas um risco de perda de indendència fê-lo tomar por armas, e vontade popular, o trono iniciando uma nova dinastia. Também é por sua ordem que são iniciados os Descobrimentos Portugueses comandados pelos seus filhos.
D. Nuno Álvares Pereira
1360 06 24 1431 11 01 D. Nuno Álvares Pereira, ou São Nuno de Santa Maria, Condestável do Reino, foi um dos mais brilhantes generais da história militar e figura decisiva na Guerra de 1383-85. Acabou a vida como Frade e é considerado Santo pela Igreja Católica.
D. Duarte I
Escritor, Rei de Portugal
1391 10 31 1438 09 09 D. Duarte foi apenas rei durante cinco anos nos quais se acabou por concentrar em tentar fazer ligações e pontes de entendimento mesmo mantendo a politica expansionista de seu pai D. João I. Foi também autor de algumas obras literárias que chegaram aos nossos dias.
D. Afonso V
Rei de Portugal
1432 01 15 1481 08 28 D. Afonso V foi rei desde os seus seis anos, e sempre ficou marcado pelas Regências e conflitos da sua infância. Cognominado de “O Africano” pelas guerras e conquistas no actual Marrocos.
D. João II
Regente, Rei de Portugal
1455 05 03 1495 10 25 Cognominado o Principe Perfeito foi um dos maiores impulsionadores dos Descobrimentos, Centralismo e organização do país. Desde muito cedo foi considerado um dos melhores governantes da História de Portugal.
D. Manuel I
Rei de Portugal
1469 05 31 1521 12 13 D. Manuel I chegou ao trono após D. João II morrer sem filhos legítimos que o sobrevivessem. Mesmo sem ter estado muito envolvido no trabalho para aí chegar foi com ele que se chegou à Índia e se descobriu o Brasil num dos períodos mais gloriosos de Portugal.
D. João III
Rei de Portugal
1502 06 07 1557 06 11 D. João III herdou um império vasto e economicamente pujante. Mesmo com momentos marcantes no seu Reinado, como a concessão de Macau e a chegada ao Japão, acaba por ser determinamente no início do declínio do Império com péssimas decisões como a introdução da Inquisição.
Cardeal D. Henrique I
Rei de Portugal
1512 01 31 1580 01 31 Cardeal D. Henrique I de Portugal foi um Rei inesperado, sucedendo visto ser o quinto filho varão de D. Manuel I. A morte do seu sobrinho neto D. Sebastião em Alcácer Quibir levou-o ao trono que ocupou até à sua morte.
Luís de Camões
Militar, Poeta
1520 00 00 1580 06 10 Luís Vaz de Camões é um dos nomes mais incontornáveis não só da literatura portuguesa, como também da sua cultura e mesmo do conceito de nacionalidade. A magnus opum Os Lusíadas é uma das grandes obras literárias da Humanidade.
D. Filipe I
Rei de Portugal
1527 05 21 1598 09 13 D. Filipe I de Portugal, II de Espanha, tornou-se o homem a comandar o maior império de sempre quando conquistou o trono Português e criando a União Ibérica. O Império onde o sol nunca se põe. Um dos homens mais poderosos da história mundial.
D. António Prior do Crato
Nobre de Portugal
1531 03 20 1595 08 26 D. António de Avis, também conhecido por D. António I de Portugal, Prior do Crato, foi um neto ilegítimo de D. Manuel I que tentou manter a independência Portuguesa frente aos Filipes de Espanha. Perdeu a guerra e não é contado na lista dos Reis de Portugal pela maioria das fontes oficiais.
D. Sebastião I
Rei de Portugal
1554 01 20 1578 08 04 D. Sebastião foi coroado Rei com apenas três anos sucedendo ao seu avô D. João III. A guerra que travou em Marrocos, aos 24 anos e sem deixar descêndencia, foi um fracasso culminando com a perda de indepedencia de Portugal.
D. Filipe II
Rei de Portugal
1578 04 14 1621 03 31 D. Filipe II de Portugal, D. Filipe III de Espanha, foi um Rei que herdou um enorme Império, o maior que o mundo viu, mas que nunca passou de um monarca fraco e pouco capaz que ainda por cima confiou demasiado poder ao corrupto Duque de Lerma D. Francisco Gómez de Sandoval.
D. João IV
Rei de Portugal
1604 04 19 1656 11 06 D. João IV foi instigado pela nobreza Portuguesa a rebelar-se contra D. Filipe III de Portugal, IV de Espanha, e trazer a completa independencia a Portugal. Conseguiu-o de facto tornando-se o primeiro Rei da Dinastia de Bragança, mas morreu sem a Guerra da Restauração estar terminada.
D. Filipe III
Rei de Portugal
1605 04 08 1655 09 17 D. Filipe III, IV de Espanha, foi o último Rei da Dinastia espanhola Filipina que reinou em Portugal até à Guerra da Restauração de 1640. Um patrono das artes ficará sempre mais ligado a ter sido o Rei Espanhol durante a Guerra dos 30 anos.
D. Afonso VI
Rei de Portugal
1643 08 21 1683 09 12 D. Afonso VI foi um Rei fisica e mentalmente fragilizado toda a vida o que levou que em grande parte dos seus 25 anos de Reinado o país fosse governado por Regentes. Foi no seu reinado que se conseguiu a paz com Espanha e o reconhcimento da Indepêndencia.
D. Pedro II
Rei de Portugal
1648 04 26 1706 12 09 D. Pedro II começou como regente de seu irmão D. Afonso VI, mas acabou mesmo por tomar o poder atravez de um golpe de estado, tendo após a suspeita morte do seu irmão casado com a sua antiga cunhada. Pacificou o país após a Guerra da Restauração e tentou modernizar o país.
D. João V
Rei de Portugal
1689 10 22 1750 09 31 D. João V é conhecido como o Rei Sol Português pela obra monumental que deixou edificada no seu reinado com os lucros da exploração mineira do território Brasileiro. Político astuto centrou muita da sua veia diplomática com a Santa Sé onde ganhou para Lisboa um Patriarcado. A Batalha de Matapão no seu reinado é das maiores vitórias navais da História.
Sebastião José de Carvalho e Melo
Conde de Oeiras, Marquês de Pombal, Primeiro Ministro de Portugal
1699 05 13 1782 05 08 Sebastião José de Carvalho e Melo, Marquês de Pombal e Conde de Oeiras, foi Secretário de Estado de D. José I, algo como Primeiro Ministro de hoje em dia, sendo um dos homens mais importantes da História de Portugal
D. José I
Rei de Portugal
1714 06 06 1777 02 24 D. José I tem com a nomeação de Sebastião Carvalho e Mello, Marquês de Pombal, como seu chefe de governo a sua maior medida governativa. É sob o seu mandato que Lisboa é parcialmente destruida, e reconstruida, e se fazem inúmeras reformas modernizantes.
D. Pedro III
Rei Consorte de Portugal
1717 07 05 1786 05 25 D. Pedro III foi o filho favorito de D. João V, e veio a chegar ao trono ao casar com a sua sobrinha D. Maria I, filha de D. José I. Sempre esteve mais presente como patrono das artes deixando as tarefas governativas para a esposa.
D. Maria I
Rei de Portugal
1734 12 17 1816 03 20 D. Maria I foi a primeira Rainha titular de Portugal, e ficará para sempre conhecida pelo cognome de A Louca. A sua doença mental fez com que durante grande parte do seu extenso reinado fosse o filho D. João VI a assumir na realidade o poder.
D. João VI
Rei de Portugal
1767 05 13 1826 03 10 D. João VI esteve 34 anos à frende de Portugal numa altura de Guerra e torbulência, mas apenas 10 como Rei, sendo Regente de sua Mãe D. Maria I nos outros 24. Personalidade ainda hoje muito discutida entre um visionário e estratega ou cobarde.
Pedro de Sousa Holstein
Diplomata, Duque de Palmela, Político, Primeiro Ministro de Portugal
1781 05 08 1850 10 12 Pedro de Sousa Holstein, 1º Duque de Palmela entre outros títulos, foi um importante político e diplomata português da primeira metade do século XIX. Foi o representante português no Congresso de Viena, um dos eventos mais marcantes do século. Ocupou também a chefia do Governo, com o titulo de presidente do Conselho de Ministros, correspondente ao Primeiro Ministro actualmente.
D. Pedro IV
Rei de Portugal
1798 10 12 1834 10 24 D. Pedro IV, Rei de Portugal, primeiro Imperador do Brasil, como D. Pedro I, pelo qual declarou independência contra aquele que seria o seu futuro reinado. Um lider carismático, um homem impulsivo e de paixões exacerbadas, e um personagem do mais complexo que existe na história de Portugal.
D. Miguel I
Rei de Portugal
1802 10 26 1866 11 14 D. Miguel I foi rei de Portugal durante seis anos, sendo os últimos dois numa Guerra Cívil contra o seu irmão mais velho, e futuro D. Pedro IV. Foi reconhecido Rei pelas Cortes por seu irmão ter-se rebelado contra Portugal declarando a Indencia do Brasil. Após perder a Guerra Cívil foi retirado da linha de sucesão e exilado.
D. Maria II
Rei de Portugal
1819 04 04 1853 11 15 D. Maria II foi rainha pela vontade do pai D. Pedro reinar num Brasil independente. Envolvida numa guerra civíl longa pelo seu direito a reinar acabou por sair vitoriosa. Teve 11 filhos o que lhe valeu o cognome de A Educadora.
D. Fernando II
Rei Consorte de Portugal
1836 04 09 1885 12 15 D. Fernando II casou com D. Maria II após a morte do primeiro marido desta Augusto de Beauharnais. Após ser pai de D. Pedro V ascendeu a Rei de Portugal. Dedicou quase toda a sua vida às artes.
D. Pedro V
Rei de Portugal
1837 10 16 1861 11 11 D. Pedro V apenas reinou efectivamente seis anos onde tentou modernizar a abrir Portugal. Morreu jovem, tal como a sua esposa D. Estefânia, e sem descendência. Mesmo assim nesse curto reinado fez obra para ser considerado um dos bons Reis de Portugal.
D. Luís I
Rei de Portugal
1838 10 31 1889 10 19 D. Luís subiu ao trono após a morte do irmão D. Pedro V encerrando assim o que esperava ser uma carreira na Oceanografia e Marinha, paixões que cultivou até ao fim da sua vida. Um reinado popular, mesmo que algo atribulado.
Eça de Queirós
Escritor
1845 11 25 1900 08 16 José Maria Eça de Queiroz, ou Queirós com a nova ortografia que abominava, foi um génio na utilização da lingua portuguesa, um escritor moderno sagaz e uma das linguas mais fiadas da história de Portugal. Como tal foi muitas vezes “exilado” como diplomata fora do país para o afastar das questões internas.
D. Carlos I
Rei de Portugal
1863 10 28 1908 02 01 D. Carlos I ficará sempre na história pela forma como foi assassinado em Lisboa, mas foi ao mesmo tempo um dos Reis mais cultos da nossa história. A falha do seu plano Colonial e o crescente movimento Republicano foram-lhe fatais.
D. Luís Filipe
Infante de Portugal
1887 03 21 1908 02 01 D. Luís Filipe era à data do seu assassinato o Principe Herdeiro de Portugal. Veio a falecer apenas vinte minutos após o seu pai D. Carlos, vitima do mesmo crime.
D. Manuel II
Rei de Portugal
1889 11 15 1932 07 02 D. Manuel II foi o último Rei de Portugal, encerrando assim a Disnatia de Bragança. Filho segundo de D. Carlos I acaba por subir ao trono em virtude do assassinato de seu pai e irmão mais velho, Luís Filipe a 1 de Fevereiro de 1908 no Terreiro do Paço em Lisboa.
José Campos de Figueiredo
Dramaturgo, Ensaísta, Poeta, Vencedor do Prémio Camões
1899 05 06 1965 11 28 José Campos de Figueiredo foi um poeta, jornalista, dramaturgo e ensaísta Conimbricense que também assinou sob o pseudónimo de Paulo Prates. A sua notoriedade na primeira metade do século XX levaram mesmo a que conquistasse um prémio Antero de Quental.
Agostinho da Silva
Escritor, Filósofo, Poeta
1906 02 13 1994 04 03 Agostinho da Silva foi um dos maiores filósofos do Século XX Português. Com um trabalho muito focado na liberdade e na ética da renuncia foi um filósofo que olhou sempre para a sua vida de uma forma incrivelmente prática.
Humberto Delgado
Militar, Político
1906 05 15 1965 02 13 Humberto Delgado, conhecido como General Sem Medo, foi um militar e politico português que ficará para sempre na história como se tendo opor ao regime de Salazar, primeiro via eleitoral e depois tentando uma revolta armada. Isto depois de ter começado a carreira dentro do regime tendo até sido dos maiores responsáveis pela aeronáutica do Estado Novo. Acabou por ser assassinado pela PIDE em Olivença.
Adolfo Correia da Rocha “Miguel Torga”
Escritor, Poeta, Vencedor do Prémio Camões
1907 08 12 1995 01 17 Adolfo Correia da Rocha, mais conhecido pelo pseudónimo Miguel Torga, foi um dos mais importantes Escritores, Contistas e Poetas Portugueses do Século XX. Venceu também um Prémio Camões.
Sebastião Jacinto
Poeta, Poeta Popular
1908 01 20 1988 02 27 Sebastião Jacinto um Saloio nascido no inicio do Século XX viveu todas as agruras do seu tempo para quem nascia sem posses. Mas no meio de toda a sua atribulada vida acabou ficando conhecido pela sua poesia tradicional, perspicaz e mordaz, isto mesmo nascendo e falecendo sem saber ler nem escrever.
Manoel de Oliveira
Actor, Empresário, Realizador
1908 12 11 2015 04 02 Manoel de Oliveira foi um longevo actor, empresário e especialmente realizador que esteve activo no mundo no cinema desde 1943 até à sua morte em 2015, em mais de 70 anos de carreira.
António de Spinola
Marechal de Portugal, Militar
1910 04 11 1996 08 13 Marechal António de Spinola foi um oficial superior do Exército Português, Governador da Guiné-Bissau, político proponente de um Federalismo Português Pluricontinental, membro da Junta de Salvação Nacional em 1974 e 14º Presidente da República
Agustina Bessa-Luís
Ensaísta, Escritor, Poeta, Vencedor do Prémio Camões
1922 10 15 2019 06 03 Agustina Bessa-Luís é uma das grandes escritoras Portuguesas, não só do Século XX, mas de toda a História de Portugal. Autora completa foi Romancista, Guionista, Poetisa e até autora de livros infantis. Uma das maiores figuras da Língua Portuguesa.
Francisco Sá Carneiro
Político, Primeiro Ministro de Portugal
1934 07 19 1980 12 04 Francisco Sá Carneiro foi um advogado que tentou acabar por dentro com a Ditadura, tendo sido das maiores forças pró-democráticas no pós-25 de Abril. Ocupava o cargo de Primeiro Ministro quando morreu numa queda de avião em Camarate.
Carlos Mota Pinto Carlos Mota Pinto
Jurista, Político, Primeiro Ministro de Portugal
1936 07 25 1985 05 07 Carlos Mota Pinto foi um dos políticos mais relevantes no Pós 25 de Abril, tanto no seu PSD, como no bloco central. Foi Primeiro Ministro no V Governo Provisório
António Lobo Antunes
Escritor, Médico, Vencedor do Prémio Camões
1942 09 01 António Lobo Antunes é um escritor português, vencedor do Prémio Camões, com obra realista centrada na vida dos Portugueses da segunda metade do Século XX. A Guerra Colonial, em que participou, é também um ponto fulcral da sua obra. Formou-se em medicina e chegou a exercer durante alguns anos Psiquiatria.
Mário Viegas
Actor, Encenador, Recitador
1948 11 10 1996 04 01 Mário Viegas foi um actor e encenador brilhante mas ficará para sempre na memória popular pela forma como, enquanto recitador, recitava poemas, em especial os de Fernando Pessoa