Guerra Junqueiro

Guerra Junqueiro foi um grande poeta português do fim do século XIX e início do século XX, mas também um multifacetado político e autor.

Nascido em Trás-os-Montes, de uma família de algumas posses, cedo chega para estudar Teologia em Coimbra, objectivo que mudaria, trocando este curso pelo de direito passados dois anos.

É em Coimbra que ganha grande parte do seu círculo de amigos chegados, entrando efusivamente na Questão Coimbrã, pelo lado dos Realistas, no meio do grupo da Geração de 70 da qual fez parte.

Entrando depois no serviço público, e depois na vida política como deputado nas Cortes, Guerra Junqueiro sempre foi um homem de palavras fortes e língua afiada. Tanto na poesia que escrevia como nas participações em diversos jornais.

O estudante de Coimbra do passado tornou-se um dos maiores rostos anticlericais do país, usando do seu sarcasmo sempre que podia contra as instituições religiosas, em especial a Igreja Católica.

Nem sei dizer qual é mais sacrossanto exemplo,
Se o Cristo quando chama a si os pequeninos,
Se, quando incendiado em ímpetos divinos,
Expulsa e azorraga os vendilhões do templo”

(A MORTE DE D. JOÃO)


Mas também acredito, embora isso vos pese,
E me julgueis talvez o maior dos ateus,
Que no universo inteiro há uma só diocese
E uma só catedral com um só bispo – Deus.

(A VELHICE DO PADRE ETERNO)

Além de anticlerical, tornou-se cada vez mais antimonárquico, e consequentemente republicano. Festejando os triunfos da república em França, e de forma bastante efusiva em 1873 a Primeira República Espanhola, mesmo que efémera.

A sua retórica ficaria, no entanto, mais violenta e nacional republicana após a questão do Ultimato inglês, derivado do mapa cor de rosa. E só abrandaria esta após a instituição da república em Portugal em 1910. Altura em que até fez uma das propostas para a nova bandeira de Portugal, republicana.

Na república portuguesa teria ainda um papel de relevo enquanto embaixador na Suíça, sendo que nunca parou de escrever até à sua morte.

Fez ainda parte do grupo dos Vencidos da Vida.

Nascido a  em Ligares, Freixo.

Faleceu a  em Lisboa, Portugal

Próximas efemérides

07 de Dezembro de 1924 nasce em Lisboa Mário Soares.
07 de Dezembro de 1937 nasce em Lisboa José Carlos Ary dos Santos.
08 de Dezembro de 1894 nasce em Vila Viçosa Florbela Espanca.
08 de Dezembro de 1930 morre em Matosinhos Florbela Espanca .
09 de Dezembro de 1706 morre em Alcântara D. Pedro II .

Personalidades contemporâneas

Encontradas 48 personalidades.
Pedro de Sousa Holstein, Duque de Palmela
Isabel Maria de Bragança
D. Miguel I
José Rodrigues Maio - Cego do Maio
D. Maria II
D. Fernando II
D. Pedro V
D. Luís I
Manuel de Arriaga
Eça de Queirós
António Enes
Ernesto Hintze Ribeiro
Alfredo Keil
Bernardino Machado
José Malhoa
Manuel Teixeira Gomes
João do Canto e Castro
Manuel Gomes da Costa
D. Carlos I
António José de Almeida
Óscar Carmona
Sidónio Pais
Ana de Castro Osório
Carolina Beatriz Ângelo
José Mendes Cabeçadas
Jaime Cortesão
José Domingues dos Santos
D. Luís Filipe
Cardeal Manuel Gonçalves Cerejeira
António de Oliveira Salazar
D. Manuel II
Mário de Sá-Carneiro
Armandinho
Francisco Craveiro Lopes
Américo Thomaz
Florbela Espanca
José Campos de Figueiredo
Adelino da Palma Carlos
Agostinho da Silva
Humberto Delgado
Adolfo Correia da Rocha "Miguel Torga"
Sebastião Jacinto
Manoel de Oliveira
António de Spinola
Francisco da Costa Gomes
Sophia de Mello Breyner Andresen
Amália Rodrigues
Agustina Bessa-Luís