Efemérides Setembro

Nascimento Óbito
António Lobo Antunes António Lobo Antunes
Escritor, Médico, Vencedor do Prémio Camões
1942 –09 –01 António Lobo Antunes é um escritor português, vencedor do Prémio Camões, com obra realista centrada na vida dos Portugueses da segunda metade do Século XX. A Guerra Colonial, em que participou, é também um ponto fulcral da sua obra. Formou-se em medicina e chegou a exercer durante alguns anos Psiquiatria.
D. Sancho II D. Sancho II
Rei de Portugal
1209 –9 –8 1248 –1 –4 D. Sancho II, com os cognomes de “o Capelo” e “o Piedoso”, Rei de Portugal até à sua morte, mas que na realidade morreu no exílio em Toledo após ter sido afastado pelo futuro D. Afonso III com ajuda do Papa.
D. Filipe III D. Filipe III
Rei de Portugal
1605 –04 –08 1655 –09 –17 D. Filipe III, IV de Espanha, foi o último Rei da Dinastia espanhola Filipina que reinou em Portugal até à Guerra da Restauração de 1640. Um patrono das artes ficará sempre mais ligado a ter sido o Rei Espanhol durante a Guerra dos 30 anos.
Francisco Craveiro Lopes Francisco Craveiro Lopes
Marechal de Portugal, Militar, Político, Presidente da República Portuguesa
1894 –04 –12 1964 –09 –02 Marechal Francisco Craveiro Lopes fica na história como o Presidente da República que sucedeu a Óscar Carmona no Estado Novo mas na realidade foi bem mais que isso. Herói de Guerra na Primeira Guerra Mundial em Moçambique, pioneiro da aeronáutica Portuguesa e um pensador pela própria cabeça. Tanto o foi que por ter uma relação fria e distante de António Oliveira Salazar acabou por não ser reconduzido para um segundo mandato, tendo mesmo chegado a ter contactos com a oposição ao regime.
José Mendes Cabeçadas José Mendes Cabeçadas
Militar, Presidente da República Portuguesa, Presidente do Ministério
1883 –09 –19 1965 –06 –11 José Mendes Cabeçadas por duas vezes pegou em armas contra o poder instituído em Portugal. Em primeiro a 5 de Outubro de 1910 pela República, e em 28 de Maio de 1926 para terminar aquela República que tinha ajudado a criar. Tornou-se aí Presidente da República, e Presidente do Ministério, mas por menos de um mês sendo afastado por ainda acreditar na democracia. Durante o resto da sua vida ficou na oposição a Oliveira Salazar e ao seu regime.
Américo Thomaz Américo Thomaz
Militar, Presidente da República Portuguesa
1894 –11 –19 1987 –09 –18 Américo Thomaz foi acima de tudo o Presidente da República perfeito para António Oliveira Salazar. Dedicado a ser uma figura representativa foi mais presente em inaugurações do que em politica activa, valendo-lhe mesmo a alcunha de “Corta-Fitas”, permitindo a Salazar governar como bem entendia. No entanto nem sempre foi sempre uma figura apenas sendo reconhecido pela sua intervenção activa na reformulação da Marinha portuguesa, especialmente a mercante.
D. Filipe I D. Filipe I
Rei de Portugal
1527 –05 –21 1598 –09 –13 D. Filipe I de Portugal, II de Espanha, tornou-se o homem a comandar o maior império de sempre quando conquistou o trono Português e criando a União Ibérica. O Império onde o sol nunca se põe. Um dos homens mais poderosos da história mundial.
D. Afonso VI D. Afonso VI
Rei de Portugal
1643 –08 –21 1683 –09 –12 D. Afonso VI foi um Rei física e mentalmente fragilizado toda a vida o que levou que em grande parte dos seus 25 anos de Reinado o país fosse governado por Regentes. Foi no seu reinado que se conseguiu a paz com Espanha e o reconhecimento da Independência.
D. João V D. João V
Rei de Portugal
1689 –10 –22 1750 –09 –31 D. João V é conhecido como o Rei Sol Português pela obra monumental que deixou edificada no seu reinado com os lucros da exploração mineira do território Brasileiro. Político astuto centrou muita da sua veia diplomática com a Santa Sé onde ganhou para Lisboa um Patriarcado. A Batalha de Matapão no seu reinado é das maiores vitórias navais da História.
D. Duarte I D. Duarte I
Escritor, Rei de Portugal
1391 –10 –31 1438 –09 –09 D. Duarte foi apenas rei durante cinco anos nos quais se acabou por concentrar em tentar fazer ligações e pontes de entendimento mesmo mantendo a politica expansionista de seu pai D. João I. Foi também autor de algumas obras literárias que chegaram aos nossos dias.